fbpx

Você Sabe Qual Profissional Pode Dar Aulas De Pilates? Guia Completo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Uma grande dúvida que paira no ar tanto em alunos quanto em profissionais é sobre quem pode dar aulas de Pilates profissionalmente de forma segura.

Isso porque o pilates é uma atividade que mexe com o corpo e atua no foco de uma patologia, portanto, não é qualquer pessoa que pode executar esse trabalho.

Uma das dúvidas que é bastante pertinente é se existe algum curso, se a pessoa precisa cursar uma faculdade específica ou se precisa de um certificado alegando conhecimento na área.

Todas essas questões possuem uma resposta e se você se interessa sobre saber mais dessa área, continue lendo este conteúdo.

Quem pode dar aulas de Pilates?

Quem pode dar aulas de Pilates

A primeira dúvida de todos que possuem interesse em pilates é saber se precisa ser um profissional da área para poder dar aulas. De acordo com resoluçōes de alguns conselhos, só alguns profissionais estão aptos para isso.

Eles são os fisioterapeutas, profissionais de educação física e enfermeiros. Vamos lembrar que resolução não é lei, assim que os conselhos não estão aptos para dizer o que é pilates. Isso só é passível perante uma lei.

O que acontece nesse caso então?

Nesse caso , diversos outros profissionais poderiam portanto trabalhar com o pilates, como é o caso de dançarinos e terapeutas ocupacionais. Veremos sobre esse tema mais embaixo.

Voltando ao assunto anterior… Mas porque isso? Bom, o pilates é conhecido como uma modalidade de ginástica.

Sendo assim, quem a orienta deve ter noção sobre o dinamismo do corpo e toda sua movimentação correta. Somente então fisioterapeutas e educadores físicos conseguem ter esse conhecimento.

Isso porque a fisioterapia é um método de tratamento que avalia o resultado que o paciente está obtendo através dos recursos utilizados e a técnica inserida.

No entanto, não é tão simples assim. Apesar desses profissionais já terem as noções corporais, é preciso também que eles conheçam o método.

Portanto, só podem dar aulas se tiverem feito um curso de formação em pilates onde todo o conhecimento sobre a técnica e os aparelhos lhes são ensinados.

Além disso, é preciso que o profissional tenha o seu diploma e a comprovação que concluiu a faculdade para estar pronto a dar aulas de Pilates.

Um estudante não possui todo conhecimento, por mais que fizesse o curso de pilates, teria pendencias pois não teria aval da sua profissão majoritária.

Existem também um porém quanto a outros profissionais como dançarinos e bailarinos. Também é possível que eles possam trabalhar com o método.

Isso porque eles possuem, junto ao profissional de educação física e o terapeuta, as seguintes características em comum:

  • Promovem a saúde;
  • Melhoram o condicionamento físico;
  • Melhoram o desempenho corporal;
  • Estimulam a reabilitação;
  • Entre outros fatores.

Como outros profissionais que não são fisios nem ed. físicos ganharam o direito a realizar aulas de pilates?

Tudo isso se deve, em parte, a Cecilia Panelli, que trabalha com o método a muitos anos.

Ela não entendia o motivo pelo qual estava sendo notificada pelo Conselho Regional de Educação Física, o qual falava que ela não estava apta a aplicar o Método Pilates, por não ser graduada em Educação Física.

Na época ela possuía um alvará de licença para atuar com atividades holísticas, Método Pilates e GYROTONIC®), e moveu uma ação em razão do auto de infração lavrado pelo Conselho R.de Educação Física da 4a Região – CREF4/SP contra a mesma após uma ação fiscalizatória feita em seu estúdio.

O Conselho de Educação Física alegava em questão, que o Método Pilates é modalidade e método de ginástica somente do profissional de educação física e que tinha competência para fiscalização do exercício das atividades de educação física, independentemente de quem as esteja exercendo, com base na Lei n. 9.696/98 e nas resoluções n. 46/2002 e n. 201/2010 do CONFEF.

Após essa ação sem procedentes por parte do CREF e o resultado provido desta, Cecilia moveu uma ação contra o Conselho Regional de Educação Física e o veredicto veio a seguir:

O veredicto:

No dia 14 de Julho de 2014, a Juíza Federal responsável pelo seu caso julgou procedente a ação movida por ela, Cecilia Panelli, contra o Conselho Regional de Educação Física da 4a Região – CREF4/SP. Além disso, concluiu que: “A prática de Pilates não é e nunca foi atividade privativa de bacharéis de Educação Física”.

Assim, a Juíza ainda destacou que: dizer o que é atividade privativa de bacharéis em ed. física é matéria reservada a à lei, não podendo ser disciplinada pelo Conselho Federal de Eduçação Física.

Afinal, não pode o próprio Conselho de Educação Física definir se, por exemplo, o Pilates é atividade física, médica ou outra. Este assunto somente pode ser disciplinado por lei e não por resolução.

Segundo a própria professora Cecília:

“Desta forma, segundo o entendimento da autoridade em questão, qualquer autuação de pessoas físicas ou jurídicas tendo como fundamento as resoluções dos instrutores de Pilates, é ilegal e deve ser afastada!

Em resumo, temos que, para a Juíza do caso, É ILEGAL a fiscalização, a emissão de auto de infração e exigir a inscrição no CREF por parte do CREF à profissionais da área do Pilates, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

Isto porquê, é ilegal a inclusão do Pilates como atividade privativa de bacharéis em ed. física pelo CONFEF, sendo inexplicáveis as Resoluções existentes para estes fins.

Diante disso, a ação foi julgada procedente, e declarou ser inexigível a inscrição da Professora Cecilia Panelli no Conselho Regional de Educação Física do Estado de São Paulo, afastando o auto de infração e a multa feita pelo CREF4/SP; e, por fim, autorizou a professora ao ensino do Método Pilates.”

É preciso fazer o curso de pilates para trabalhar com o método?

Como dissemos anteriormente, é necessário sim fazer um curso de formação em pilates antes de você se firmar como instrutor. Isso tem um motivo, é claro.

O curso vai abordar todos os pontos desde a teoria a prática. Assim, capacitará o profissional para que ele consiga saber o uso correto dos aparelhos e possa instruir corretamente.

Se você quer um curso mais específico, voltado para uma área dentro do pilates em si, você pode fazer uma pesquisa também, por exemplo, existem profissionais que só querem dar aulas para gestantes.

Mas ainda é necessário que se faça o curso completo antes de se especializar em uma área. Após então ter se formado, o profissional terá recebido seu certificado e, assim, poderá exercer sua especialização.

Que condições o aluno em formação pode dar aula?

Como foi informado, o aluno que ainda esteja se formando não pode dar aulas de Pilates. No entanto, se isso funcionar como um estágio, ai tudo bem.

Para isso é preciso que exista um profissional ao seu lado, o auxiliando e o supervisionando o tempo todo. É aconselhável para quem quer atuar nessa área, procurar frequentar esses estúdios.

Isso porque com a prática fica mais fácil a pessoa saber como vai ser seu dia a dia e como funciona a rotina de um instrutor.

Dentre os benefícios que um estudante consegue ao fazer esse tipo de atividade, você pode observar o seguinte ponto:

  • Já ter uma noção da área que ele pretende atuar;
  • Possuir uma certa experiência sem ficar perdido em como funciona o processo;
  • Ter um currículo mais extenso;
  • Ampliar seu campo de conhecimento;
  • Trocar experiências com que já possui formação.

Por que escolher pilates para dar aulas?

O pilates é ume ótima metodologia para aqueles que querem oferecer a outras pessoas uma melhor qualidade de vida. Isso porque através dele você pode promover a reabilitação de muitos pacientes.

Além do mais, esta é uma atividade que pode ser feita por qualquer pessoa, desde o mais sedentário até aqueles mais ativos. O pilates possui muitos níveis, então é possível experimentar cada um deles.

As turmas geralmente são bem-organizadas e com poucos alunos, o que te permite dar uma maior atenção a quem participa durante o período de uma hora de aula.

De maneira progressiva, o pilates vai ajudando as pessoas a se recuperaram e a aumentarem a sua qualidade e vida. Para o instrutor, é uma ótima área.

Isso porque além de terem diversos alunos, uma mensalidade pode custar de 200 a 600 reais dependendo de onde esse instrutor oferece suas aulas.

Para os recém-formados e que desejam abrir um estúdio de pilates, é possível começar pelo básico e com poucas pessoas até que você possa expandir para algo maior.

Portanto não é necessário investir muito. Mas é claro, os custos para abrir um estabelecimento existem, e sempre e de forma principal para cobrir os custos de:

  • Autorização de funcionamento;
  • Regularização de documentação;
  • Compra de equipamento;
  • Aluguel do espaço;
  • Contas do mês;
  • Contratação de funcionários;
  • Etc;

Sendo assim, este é um bom investimento para os profissionais que estão indecisos com sua carreira e querem expandir seus conhecimentos em busca de novas oportunidades.

As vantagens dessa atividade servem não só para os alunos como também para os profissionais que possuem uma diversidade de setores para trabalhar.

Conclusão

Conclusão

Por fim, vimos então quem pode dar aulas de Pilates, quem pode ministrar essas aulas, e como fazer para estar apto a instruir os alunos.

O pilates é uma atividade que proporciona uma transformação tanto na mente quanto no corpo de quem a pratica e também de quem instrui por estar sempre demonstrando como fazer os exercícios.

Conte aqui se você gostou deste conteúdo e não deixe de compartilhá-lo com outras pessoas que também tem interesse na área.

Sandro Alves, professor de pilates.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixe o Ebook de pilates e AVC gratis!

Faça o download aqui!