fbpx

Você Sabe O Que É A Fascite Plantar? Causas, Sintomas E Tratamento!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A fascite plantar é uma patologia que surge no pé e que pode ser inflamatória ou degenerativa. Costuma afetar o tecido fibroso da sola dos pés e pode se prolongar do osso calcâneo até os dedos dos pés.

Por ter um nome pouco comum, muitas pessoas desconhecem a patologia ou não sabem do que se trata. No entanto, esse é um problema bastante comum.

Boa parte das pessoas que reclamam de dores no pé possuem esse diagnóstico. Uma da doença que se dá próximo ao calcanhar e pode atingir qualquer pessoa. Em geral, a quem faz muito esforço com os pés.

O que é fascite plantar?

O que é fascite plantar

Em primeiro lugar, é importante que você saiba que essa é uma doença que surge pela inflamação da fáscia plantar.

Este é um tecido fibroso que faz parte desde o osso do calcanhar até os dedos dos pés. Essa parte é coberta de gordura, que faz com que:

  • Impactos sejam absorvidos;
  • Arcada plantar seja suportada.

Geralmente, a doença é percebida quando começa a se sentir dores no calcanhar. O pico de aparecimento da fascite ocorre em pessoas de 40 a 60 anos.

Ela atinge ambos os sexos de modo igual. Em grande parte dos casos, a patologia é unilateral e afeta só um dos membros.

Os casos onde ambos os pés são afetados são raros e ocorre em apenas um terço de quem sofre com essa doença.

Ao sentir dores no calcanhar, é importante procurar um profissional. Porque ignorar isso pode transformar as inflamações agudas até que elas virem crônicas.

Quais são as causas dessa patologia?

Ainda que não se saiba as causas por trás do acontecimento dessa inflamação, alguns fatores de risco podem fazer com que a doença apareça. Como por exemplo:

  • Pessoas obesas ou com excesso de peso;
  • Atividades que possuem uma carga maior nos pés;
  • Idade;
  • Pés com algumas disfunções como o pé plano, ou com problemas na marcha;
  • Retração de músculos gastrocnémio-solear;
  • Doenças inflamatórias sistêmicas.

Muitas pessoas suspeitam que a presença de esporões do calcâneo contribua para a sintomatologia. Só que 11 a 46% dos doentes com esporões do calcâneo são assintomáticos.

E 32% dos casos de pacientes com a patologia não apresentam indícios de esporões. Um dos principais sintomas que as pessoas relatam é uma dor no calcanhar.

Essa dor é semelhante a uma pontada e acaba se sobressaindo em atividades como subir escadas ou ficar em pé durante muito tempo.

Assim, o alívio aparece somente quando o paciente anda e costuma se agravar a partir do momento em que a pessoa fica muito tempo de repouso.

No fim do dia é que geralmente os sintomas ficam mais agudos. É comum que em alguns casos ocorra algum tipo de inchaço no tornozelo e no calcanhar.

Como é feito o diagnóstico da fascite plantar?

Todo diagnóstico acaba sendo realizado por meio do ortopedista através da base de história clínica do paciente. Às vezes, alguns exames se fazem necessários, como por exemplo:

  • Radiografia: para confirmação de resultados é ótima e exclui a existência de outras patologias;
  • Ressonância magnética: dificilmente é usada, mas, em dúvida de fraturas de stress do calcâneo, acabam sendo úteis;
  • Cintigrafia óssea: exame que permite quantificar o grau da inflamação;
  • Entre outros tipos de exame.

A fascite plantar tem cura?

Para alívio das pessoas que se encontram com essa doença, ela é algo que tem tratamento e 90% dos pacientes ficam curados.

O que pode ocorrer é que pode demorar até que os sintomas desapareçam de maneira completa, e isso pode levar um ano inteiro

Em casos que se ignora a presença da doença, ela pode se tornar crônica.

Benefícios do pilates no combate da fascite plantar

Benefícios do pilates no combate da fascite plantar

Como muitos já conhecem, o pilates é uma atividade que tem como objetivo fazer com que o corpo fique em equilíbrio.

Por isso, na maioria das aulas os exercícios focam em fortalecimento e flexibilidade.  E esses são dois fatores importantes para a cura da patologia.

Assim, quando se é desenvolvido exercícios de alongamento que focam na parte que está a fascite plantar, o que ocorre geralmente são ótimos resultados e alívio das dores.

Uma coisa importante que se deve prestar atenção é em não fazer essa fortificação de maneira muito intensa. Isso porque a tensão pode aumentar junto com a dor.

Sendo assim, fazer esse fortalecimento por meio de uma carga leve ou só o peso do corpo como já faz o pilates solo, é de grande ajuda.

Dicas para os profissionais

Para quem é professor de pilates, o importante quando se trata de fortalecimento dessa região é mostrar ao aluno como se deve realizar o exercício.

Isso porque a distribuição do peso é fundamental para que o tratamento ocorra de maneira eficiente e correta.

Alguns cuidados também devem ser levados em consideração durante a prática de exercícios na aula, que é não realizar ações de muito impacto na região das articulações.

Portanto, combinar o tratamento com algum tipo de massagem faz com que as dores consigam ter um certo alívio e que a tensão muscular vá sumindo.

Isso pode acabar sendo feito pelo próprio aluno com bolinhas de massagem ou por alguma equipe de massagem.

Os tipos de exercícios mais recomendados acabam sendo aqueles que possuem algum tipo de alongamento e que estimulem o sóleo do tendão de Aquiles.

Isso porque esse tipo de movimentação faz com que o paciente ganhe força e reabilite seus membros.

Outro exercício também é o de consciência corporal, pois a partir do momento que o aluno sabe como distribuir seu peso, suas dores terão um certo tipo de alívio.

Conclusão

Conclusão

Por fim, vimos então o que é a fascite plantar, como ela ocorre, seus sintomas, diagnóstico e como ela pode ter um tratamento eficaz.

O pilates, como já citado, se torna uma atividade ideal para esse tipo de reabilitação pois ele trabalha com a sutileza e precisão de exercícios.

Sendo assim, é algo muito eficaz não só no tratamento da patologia principal, como também no tratamento de outros fatores.

Nos diga o que achou deste conteúdo aqui nos comentários e compartilhe-o com outras pessoas para que elas saibam mais sobre esta patologia.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixe o Ebook de pilates e AVC gratis!

Faça o download aqui!